Volatilidade das criptomoedas: o que é e como impacta nos seus investimentos

melhores criptomoedas
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest

Se você já conhece o mercado dos criptoativos, então certamente a volatilidade das criptomoedas é um assunto que você tem percebido nos últimos tempos. Acertamos?

Mas afinal, o que é a volatilidade das moedas virtuais? Como ela impacta sobre o valor de um ativo?

Nesse artigo, abordaremos tudo o que você precisa saber sobre um dos termos mais importantes do universo cripto! Vamos lá?

Afinal, o que é a volatilidade das criptomoedas?

Em termos práticos, volatilidade nada mais é que um medidor das oscilações de um determinado ativo.

Assim, quando falamos sobre a volatilidade de um ativo digital – como exemplo, a criptomoeda Doge -, estamos falando que o seu preço varia muito e numa tendência de alta, ou de queda.

Por isso, ativos voláteis são considerados como investimentos de riscos, variando tanto para lucros, quanto para prejuízos.

Portanto, através desse conhecimento, é possível desenvolver estratégias que sejam mais eficientes, além de facilitar na mensuração dos prováveis riscos.

Como exemplo, podemos citar o Bitcoin – um ativo extremamente volátil – já que ele apresenta comportamentos significativos de alta e de queda, e tudo em períodos curtos de tempo.

Certo, e como a volatilidade das criptomoedas é medida?

A volatilidade das criptomoedas é medida por meio da rentabilidade de um ativo por um determinado período de tempo, onde é obtido o desvio padrão médio.

Assim, o resultado obtido é convertido em porcentagem e obtemos a volatilidade daquele criptoativo.

Mas vale observar: a volatilidade vai além de apenas números, ela é um fenômeno tradicional a todos os ativos financeiros, sejam eles as próprias criptomoedas, como também ações, títulos ou bens. Isso acontece, porque nenhum ativo é permanente a uma única tendência.

Você pode pensar nisso como andar de montanha-russa. Embora existam diversas curvas, subidas ou descidas de tirar o fôlego, existem também as partes mais leves e tranquilas – que apresentam mudanças em pouquíssimos segundos.

Desta forma, a proposta da análise da volatilidade, se trata em basear-se no seu histórico, para só assim conseguir prever a oscilação futura de um ativo. Bem simples, né?

E quais fatores podem impactar na volatilidade das criptomoedas?

Já entendemos que a volatilidade é um fenômeno comum a qualquer tipo de ativo, e prevê-la pode ser uma solução para futuras negociações, tanto como outras inúmeras utilizações.

Se tratando das criptomoedas, existem certos aspectos que implicam nas variações dos seus ecossistemas. A seguir, confira alguns deles:

Confiança na criptomoeda

A confiança em criptomoedas como o bitcoin, Ethereum e tantas outras famosas, tem se tornado uma tendência crescente – assim como a aplicação de tecnologias com criptografia. Todo esse processo tem se refletido em uma procura ascendente pelos ativos digitais e também em suas cotações.

Por sinal, muitas organizações já planejam utilizar a blockchain – a tecnologia por trás do bitcoin – como forma de trazer ainda mais segurança e autonomia para as suas operações.

Maior demanda

Inúmeros países já reconhecem as criptomoedas como ativos financeiros reais. Bons exemplos, são El Salvador, que adotou o bitcoin como a moeda oficial do país, e até lojas comerciais como a Amazon, além de pessoas físicas.

Por isso, tanto esta criptomoeda, como diversas outras, é o que as tornam um investimento interessante para garantir projetos pessoais, independência financeira, aumento de patrimônio, realização de viagens, e por aí vai.

Dólar

Embora criptomoedas como o bitcoin não tenham lastro em nada, a volatilidade do dólar também é um fator que impacta na volatilidade da própria criptomoeda.

Isso acontece justamente devido à influência do dólar sobre o cenário financeiro global – do qual as criptomoedas também fazem parte. Por isso, a cotação do dólar impacta diretamente na volatidade das criptomoedas e do próprio bitcoin.

Regulamentação imposta pelos governos

Ainda que exista uma certa aprovação de alguns países que já adotaram criptomoedas como meios de pagamento, também há uma forte ofensiva de um grupo ainda maior que considera estes ativos como inseguros.

Neste cenário, muitos países utilizam as criptomoedas com discurso de que estas moedas são usadas para encobrir crimes como lavagem de dinheiro.

De modo geral, todo esse comportamento acaba gerando uma desvalorização para o próprio mercado, em consequência das suspeitas de determinados governos.

volatilidade das criptomoedas
gráfico de volatilidade das criptomoedas

É possível reduzir a volatilidade das criptomoedas?

Para muitos especialistas deste mercado, a volatilidade faz parte do apelo das criptomoedas. Sendo este um dos fatores que impulsionam os resultados satisfatórios.

Em contrapartida, investidores mais conservadores, acreditam ser possível reduzir os impactos causados pela volatilidade das criptomoedas, tais como a média de custo em dólar, ao adquirir as stablecoins. Bom exemplo disso, é a USDT (Tether), uma criptomoeda com lastro em dólar americano.

De um modo geral, todos aqueles investidores com objetivos de longo prazo não têm motivos para se preocupar com a volatilidade deste mercado, já que há enormes razões para considerar que este investimento se tornará alto ao longo do tempo.

Conclusão

Viu só como a volatilidade é um dos termos mais importantes para o mercado das moedas digitais? Afinal, é ela quem traz toda a magia de investir neste mercado, concorda?

E agora que você já conhece o assunto, que tal compartilhar este artigo com outras pessoas? Assim, sabemos que este conteúdo foi útil, e podemos trazer ainda mais pra você, que tal?